O diferencial do produto que levou o Sicoob Acre ao topo no Brasil é o atendimento de demandas das empresas ligadas ao setor ou que utilizam a maquineta nos empreendimentos, vantagens para os cooperado e mensalidade 60% mais baixa do que as concorrentes. Além disso, o serviço também não cobra taxas de adesão e de cobranças sobre as vendas, que no sistema é, em média, 15% mais baixa do que nos bancos. A taxa para antecipar recebíveis também é a menor do mercado.

Juliano Magnabosco, coordenador de adquirência do Sicoob Acre, explica que a Sipag foi desenvolvida durante um ano pela instituição financeira e começou a operar no mercado acreano no início de 2018, quando a máquina foi lançada. De acordo com ele, a maquineta oferece para os comerciantes e empreendimentos que a utilizam uma rentabilidade maior do que as concorrentes no mercado, além de ter aumentado o aporte financeiro da cooperativa de crédito no estado.

A inovação também já rendeu premiação regional. A Sipag ganhou o primeiro lugar na categoria Fidelização na etapa da Região Norte do Troféu Cisne Dourado. “Essas duas premiações, a regional e a nacional, são resultados do nosso esforço para facilitar a vida dos cooperados e reinventar o modelo de negócio nesta área. Somos reconhecidos pelo trabalho com empreendedores individuais, micros-empreendedores e médias empresas. Esse perfil é o que a cooperativa tem atendido, mas também prestamos serviços para todos os segmentos”, pontua Magnabosco.

O coordenador de adquirência afirma ainda que a instituição mantém uma parceria com Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Acre (Sebrae no Acre), além de outras instituições do estado, para ofertar suporte e treinamento para as empresas ligadas a cooperativa e as que utilizam a Sipag. Tanto o produto como as parcerias mantidas fazem parte do projeto de expansão do Sicoob no Acre, que há quase 20 anos já atua no estado e passa pela fase mais ampla de sua história.

Presidente do Sicoob Acre, José Generoso dos Santos, relembra que a Sipag faz parte de uma grande estratégia da entidade financeira para fortalecer a atuação no mercado local, colaborar com o crescimento da economia acreana e ajudar aos empresários e associados da cooperativa a terem uma margem de lucro anual ainda maior. Ele conta que após a finalização do novo produto, que está há apenas um ano no Acre, foi feita uma campanha para difundir a ideia entre o setor econômico.

“Essa campanha para divulgar nossa maquineta envolveu todos os nossos funcionários, comigo incluso nas ações. Juntos, todos nós começamos a divulga-la primeiramente em todos os lanches de Rio Branco, rotineiramente fazíamos visitas até de madrugada nesses locais. Isso foi um diferencial muito grande porque o esforço de toda a equipe deu bons resultados, que também se expandiram [a maquineta despertou interesse em empresas] para outros negócios”, rememora o presidente.

 

Generoso relata que durante uma viagem a sede do Banco Cooperativo do Brasil (Bancoob) em Brasília – a instituição financeira é a representante das cooperativas de crédito no Brasil, todas associadas a ela – ele foi questionado como uma cooperativa considerada pequena, com apenas quatro agências, conseguiu ganhar o prêmio nacional. “Respondi que a nossa estratégia foi o trabalho árduo. Absolutamente todos os funcionários da nossa empresa se envolveram nisso com dedicação tanto nas visitas em Rio Branco como nas feitas em cidades do interior do Acre”, conta.

Troféu Cisne Dourado

O Troféu Cisne Dourado foi criado pelo Banco Cooperativo do Brasil como forma de valorizar o cooperativismo de crédito e reconhecer o papel fundamental que o modelo tem na construção de uma vida econômica sólida e considerada próspera para o país. A premiação estimula o crescimento e fortalecimento do cooperativismo no Brasil, com produtos e serviços de qualidade sendo ofertados para empreendedores individuais, micros-empreendedores, médias empresas e sociedade em geral.

O evento buscou fomentar o aumento da comercialização de produtos e serviços, com incentivo em prêmios, e reconhecer o impacto positivo e a capacidade de gerar valor, mudança, prosperidade e consciência financeira. Ao todo foram mais de 284 cooperativas participantes de todo o Brasil (entre singulares e centrais) em 33 premiações. Estiveram presentes o evento cerca de 1.800 pessoas, incluindo ainda, além das cooperativas, Bancoob e conglomerado de parceiros.

Expansão

O presidente do Sicoob Acre, José Generoso dos Santos, relatou que a expansão da cooperativa é o foco de sua gestão desde 2012, quando foi eleito presidente pela primeira vez pelos membros da Diretoria Executiva, Conselho de Administração e Conselho Final. Ele, que também é sócio fundador do sistema no estado, lembrou que a reestruturação financeira foi o primeiro passo para ampliação da oferta de serviços e presença física, ela veio após uma crise institucional que afetou a entidade no ano de 2011.

“Essa crise afetou a ponto de o Banco Central sugerir a liquidação da cooperativa. Mas nós batemos o pé e elaboramos um plano de recuperação e conseguimos a concessão do BC. Recebemos um investimento grande e a partir disso iniciaram as mudanças. Em 2013 abrimos a instituição para as pessoas da sociedade civil, que até então não podiam ser associadas, somente os policiais militares e civis. Dois anos depois, em 2015, vieram os empresários”, relatou Santos.

Para o gestor, essa abertura foi essencial para empresa aumentar os negócios e expandir no mercado local, tendência que também é observada a nível nacional. “A abertura para as pessoas reverteu a baixa rotatividade de lucro, já que era voltada somente aos servidores, inclusive para depósitos e conta corrente. Ao abrirmos aos empresários, com oferta de crédito, e utilizarmos as máquinas de pagamento no cartão no comércio, nossa liquidez aumentou bastante revertendo o antigo cenário”.

José Generoso, que em 2016 foi reeleito para a presidência do Sicoob Acre até 2020, conta que em 2012 o capital social da entidade saiu de R$ 4,5 milhões para cerca de R$ 15 milhões em 2019. Já os ativos totais pularam de R$ 12 milhões no início da gestão para R$ 40 milhões neste ano. Na mesma proporção dos demais, o patrimônio líquido da instituição financeira saltou de R$ 6 milhões em 2012 para um total de R$ 18 milhões, alcançados já no início deste ano.

Com o equilíbrio financeiro reconquistado, vieram os investimentos para expandir a oferta de serviços, disponível para os mais diferentes segmentos sociais. Durante esse período vieram as agências de Cruzeiro do Sul, Acrelândia e, no início deste ano, Brasileia, fora as duas em Rio Branco. Também veio a implantação no comércio das máquinas para pagamento com cartão de crédito, cujo valor da parcela pode ser negociado. Somente em investimentos, são R$ 28 milhões para receber durante este ano.

Para evitar consequências graves de possíveis crises financeiras, o Sicoob Acre também desenvolveu duas modalidades de proteção financeira para proteger a instituição e os associados de perdas, o que dificulta que em cenários de recessão econômica a entidade perca o equilíbrio das contas e investimentos. A próxima meta da cooperativa é instalar uma agência de atendimento na cidade de Sena Madureira ainda este ano, o pedido foi entregue ao Banco Central e está em análise.

“O Sicoob é diferente dos bancos porque a nossa finalidade não é lucrativa e sim social. Funcionamos como banco, estamos sujeitos as regras que são estabelecidas a eles, mas a rentabilidade [lucro] é do associado, o que nos diferencia. Somente nos últimos oito anos, distribuímos quase R$ 8 milhões de sobra [lucro] nas contas dos cooperados. Tudo que é gerado de riqueza fica no nosso quadro social, somos uma entidade associativista”, finalizou o presidente do Sicoob Acre.

História

O Sistema de Crédito Cooperativo do Acre foi fundado em 8 de abril de 1999 como Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Policias Militares do Acre. A iniciativa surgiu após um grupo formado 25 policias resolver largar o sistema de agiotagem, única alternativa que para recorrer a empréstimos, já que na época os salários sofriam constantes atrasos. Depois de uma assembleia geral realizada no auditório da antiga Emater, os 25 cooperados começaram a pagar uma taxa de R$ 20 por mês, que totalizava R$ 500, para os serviços propostos pelos sócios da empresa.

Na mesma ocasião, foi eleita a primeira Diretoria Executiva, Conselho de Administração e Conselho Fiscal. O primeiro capital social da instituição, R$ 500, foi depositado em um banco público. A primeira forma de operacionalização consistia em emprestar pequenos valores dentro do próprio grupo. Como eles não atendiam a alta demanda, era necessário fazer sorteios mensais para definir quem seria o próximo cooperado que poderia pegar o dinheiro emprestado.

Quando a cooperativa recebeu a homologação do Banco Central do Brasil, mais de 200 cooperados e R$ 20 mil circulavam pelo grupo. A primeira sede da entidade foi em uma sala na Avenida Benjamim Constant. Posteriormente, ela foi transferida para as dependências do Palácio das Secretarias. Hoje a sede do Sicoob Acre fica localizada no interior do Comando Geral da Policia Militar, que fica no Centro de Rio Branco em frente ao Colégio Barão do Rio Branco. Atualmente mais de 2.300 associados fazem parte do quadro social da instituição financeira, que conta com diversos membros associados em quase todos os municípios acreanos.

Fonte: OCB/SESCOOP


Notícias Anteriores




  • Avenida Nações Unidas 555, Nossa Senhora das Graças , Porto Velho - Rondônia
  • sicoobnorte@sicoobnorte.com.br
  • 69 2181-1007